Semana em Londres: Museus e Galerias

Olá, pessoal! Estou de volta com o segundo episódio da série de posts sobre Londres. Adiantando já o que vem pela frente, neste dia eu e meu pai optamos por visitar os lugares fechados da cidade. O motivo é bem simples: a previsão do tempo apontava que este seria o único dia da viagem toda em que o tempo estaria chuvoso – um verdadeiro milagre considerando que a cidade é famosa pelo a constância do clima nublado. Portanto a razão apontava que seria mais produtivo fazendo um tour pelas famosas mostras culturais e históricas que a cidade disponibiliza. 

Aviso já que não fomos a todos os museus, nem a todos eles num dia só. Num próximo post mostrarei exatamente quando visitei os demais. Mas, para não atrapalhar a sua organização, deixo uma sugestão de itinerário ainda mais completo no final.

Londres tem muito o que se ver. É provável que, mesmo morando lá por anos e com toda a assistência de não teres que pagar pela entrada na maioria dos museus, ainda assim não consiga visitar todos. Então, na hora de decidir quais locais eu gostaria de visitar, optei pelos mais populares e icônicos da cidade – aqueles indicados pelos guias e blogs de viagem. O que quero dizer é que obviamente podes adaptar seu itinerário para aquilo que mais gostas, como visitar a exposição sobre James Bond no London Film Museum, por exemplo.

Galeria Nacional – Praça de Trafalgar, Westminster

Para chegar cá, uma das melhores maneiras é pela estação de metrô Charing Cross. Caso desça na Westminster, terá uma longa caminhada pela frente – turística e bela, é claro.

A nossa primeira parada deste dia foi a Galeria Nacional, onde se encontra um dos  principais acervos artísticos da Europa – daí ser um dos três museus mais visitados do mundo. A entrada é, como havia dito antes, gratuita, uma vez que a coleção pertence ao público do Reino Unido. 

Quando ouves falar que podes ver “de Giotto a Cézanne”, tens uma ideia de que se tratam de obras importantes para o desenvolvimento da pintura ocidental. É realmente incrível poder observar de perto pinturas de Van Gogh, Rembrandt, Raphael e vários outros sobre os quais passamos tanto tempo ouvindo falar na escola.

As fotos daqui ficaram um pouco à quem, por eu estar muito empolgada e por só ter as tirado com o meu celular. Mas deixo-vos com um pedaço do que é a National Gallery. Dicas? Pegue os guias na entrada, ao menos o da sessão que mais te desperta curiosidade. E, é claro: aproveite bem cada espaço!

Museu de História Natural – Kensington

Este Museu encontra-se em outra área de Londres para a qual facilmente podes ir através do metrô. Estações próximas são Gloucester Road e South Kensington.

Este foi o Museu com maior fila para a entrada, o que me deixou receosa uma vez que estávamos na chuva. Mas andou tão rápido que nem deu tempo de reclamar 🙂 E, como é evidente pelo facto de ter gente esperando do lado de fora, haviam muitos visitantes dentro também.

Algo que podes começar a apreciar desde o lado de fora é a sua arquitetura neogótica de deixar o queixo caído. É como entrar numa enorme obra de arte, para te ser sincera. Os elaborados arcos perpetuam-se por dentro, abrigando tanto exposições sobre o funcionamento do corpo humano, cristais e aves, quanto a grande atração: a rota e simulador do mundo com dinossauros, com seus ossos enormes expostos para nós, pequenitos humanos. E não posso deixar de mencionar a impactante Baleia do rio Tâmisa, ou melhor, o seu esqueleto, que encontra-se pendurado no salão principal.

Museu Victoria and Albert – Kensington

À menos do que cinco minutos de caminhada, temos outro Museu que é um must visit! Focado em, por suas próprias palavras, design e decoração, vemos esculturas, mobiliário, jóias, fotografias e muito mais de literalmente todas as partes do globo.

Podes ver os vestidos utilizados pela Corte, ou um belíssimo Balenciaga de 1955. A sessão sobre cerâmicas e tapeçarias egípcias e sírias também são de deixar-nos boquiabertos com a riqueza da história que nos faz. Não esteja muito preocupado em encontrar as exatas salas de cada coisa, pois pelos corredores há também muitas peças e obras de grande interesse.

Aqui encerramos o nosso dia, mas ainda eram 14:30. Podem, se quiserem, esticarem uma visita para o Museu Britânico, pelas  estações de metrô Holborn, Tottenham Court Road ou Russel Square. Este eu visitei posteriormente na viagem.

Uma galeria para acrescentar ao seu itinerário deste ou de outro dia é Tate Modern, que concentra obras britânicas contemporâneas. Podes chegar lá também de metrô, mas requer uma pequena caminhada. A região onde se encontra concentra outras atividades, como a Millenium Bridge e a Catedral de São Paulo. Portanto podes dedicar um dia para tal área. Terei cá um itinerário completinho para fazê-lo.

Um outro lugar que nós visitamos foi Harrods, que fica na mesma rua do Museu de História Natural e da Museu Victoria and Albert. O prédio concentra em seus vários andares as melhores marcas, de todos os tipos. As mais atraentes para os turistas são, é claro, moda e beleza.

Também decidimos dar uma volta nos clássicos ônibus vermelhos perto do nosso hotel. Chegamos até Old Street, de onde tirei as seguintes fotos:

Espero que tenham gostado do post e que vejam a continuação dos itinerários e descrições 🙂 Deixem-me sugestões!

xoxo,

Michelle Lebres.

Leave a Reply