Olá, pessoal! Como prometido, mais um episódio de quando brincamos de Robinson Crusoé, mas num lugar bem povoado e frequentado por muitos turistas – sério, gringos por todos os lados e chegando em suas megas jangadas que hoje em dia vocês chamam de ”cruzeiros”, eu acho. Partiremos do final do sábado, nosso segundo dia de visita que foi focado na maior cidade da ilha, o Funchal. Sem mais delongas, que comece o post!

Centro Histórico do Funchal

No início da tarde, passeamos um pouco pelo centro histórico, como dito no post anterior. As construções são bem semelhantes ao que se vê no continente português, mas o seu charme especial está nas cores vivas e pinturas feitas nas portas. Verdadeiras obras de arte foram feitas nas casas e comércios do Funchal como uma forma de recuperá-lo após a catástrofe das chuvas. 

O Projecto Portas Abertas levou artistas plásticos às ruas da cidade para transformar o lugar antes degradado em um verdadeiro museu ao céu aberto. As obras não se limitam à pinturas, mas também é possível encontrar lá esculturas que saltam a parede e tornam a Ilha ainda mais turística. 

Caso esteja mais curioso sobre o projeto, acesse o site deles aqui e veja ainda mais materiais expostos. É muito interativo, dando para encontrar a arte até mesmo pelo número da sua porta na rua. Estes são os registros que vos trago:

Passeando pelo centro é fácil pensar que está num cenário de filme da sessão da tarde. Além das obras de arte, há vários restaurantes e comércios onde encontrará produtos locais, como os famosos pratos com filé de atum.

Na primeira imagem é possível ver que a ponte passa por cima de uma espécie de rio. Estas são as chamadas ribeiras, criadas para que a água da chuva escoe dos topos das montanhas até o mar sem prejudicar muito as construções e ruas.

Parque Santa Catarina

Ainda caminhamos mais acima pelo Parque Santa Catarina. Próximo ao Hotel Pestana que foi desenhado por Oscar Niemeyer e do grande museu e hotel de Cristiano Ronaldo, conta com uma vista fenomenal da orla e do porto onde os cruzeiros atracam.

Em todos os momentos em que passamos por ele estava tinha bastante gente. Minha mãe, que morava na Ilha, disse que neste parque há muitos eventos, inclusive shows. Haviam muitas pessoas fazendo pique-nique por ali, e eu comprovo que é um local mais do que agradável para isso, por sua vista e por ser bem fresquinho.

Depois de lá, descemos até a sorveteria que fica no nível térreo do hotel do Cristiano Ronaldo. Me arrependo bastante de não ter tirado foto nem do sorvete nem do nome da loja, pois foi um dos melhores que já experimentei na minha vida. Acho que fiquei emocionada demais e esqueci. Portanto, aqui vão mais algumas fotos do Parque Santa Catarina:

Praia do Machico

A maioria das praias pela orla do Funchal são cheias de pedra, fazendo com que, para nadar, seja preciso que você entre de chinelo. Não acho que esta Ilha se encaixe muito no perfil do pessoal que vai para ficar o dia inteiro no mar, uma vez que conforme as ondas se movem pedritas do fundo batem em suas pernas.

A Praia do Machico, depois do Aeroporto Cristiano Ronaldo, foi criada com o propósito de ser uma opção mais próxima do Funchal onde os turistas pudessem ficar mais à vontade. Para isso, trouxerem areia da África, tornando-a mais convidativa. Vale lembrar que mesmo assim o fundo do mar tem suas pedras. 

A temperatura da água não estava ideal para isso e, como tudo em Portugal, havia um certo ventinho. Aproveitamos, então, para apreciar a paisagem.

Pico de Barcelos

Aproveitamos na volta para passar em outro local que exigiria carro, pois é mais acima e as ladeiras da Ilha da Madeira não são brincadeira. O Pico de Barcelos encontra-se próximo à freguesia de São Martinho, estando mais inserido no Funchal do que outras atrações elevadas espalhadas pelas montanhas. 

O seu miradouro é uma vista impecável da maior cidade madeirense, com o fundo preenchido pelo mar azulíssimo. 

Fogos de artifício

Para quem está pensando ”Meu Deus! Ainda coube mais algum passeio neste dia?”. Sim, meu caro, houve outro passeio. Este foi relax: acompanhamos a exibição de uma empresa competidora pelo Réveillon madeirense.

Para eles este é um assunto mega sério. Durante os quatro sábados do mês de Junho ocorreu uma competição para ver quem ficaria com o grande show do dia 31. No ano de 2014, foi investido 1 milhão de euros no espetáculo que costuma durar, de acordo com a minha mãe, cerca de 30 minutos. Aqui estão algumas das fotos que tirei com meu celular do show:

Como falado em outros posts, vou escrever mais cá no blog sobre minhas experiências em Portugal, tanto as turísticas quanto as como moradora. Se estiver interessado em ver mais fotos sobre estes e outros passeios, acompanhe o blog na nossa página do Facebook bem aqui para saber de novas postagens, como a Parte 3 da Ilha da Madeira e férias em Cascais, Lisboa!

Fale comigo suas opiniões e sugestões nos comentários ou no Twitter! Vejo vocês no próximo post ♥

XOXO,
Michelle Lebres.